Páginas

6 de ago de 2012

ACIAC sedia reuniões e debates sobre a situação do PAM


Foram realizadas na última semana duas reuniões no auditório da Associação Comercial e Industrial de Carangola para discutir a situação do Pronto Atendimento Médico Municipal (PAM) e também do Hospital Evangélico de Carangola. Participaram dos debates membros da diretoria do hospital e do Conselho Municipal de Saúde (CMS), vereadores, representantes de diversas instituições, comerciantes, empresários e população em geral. Na abertura da primeira reunião, terça-feira (24), o Presidente da ACIAC, Ney Lemos, explicou a importância de mobilizar a cidade para discutir e buscar alternativas para este problema na área da saúde pública que traz tantas preocupações. Representando o Hospital Evangélico, fizeram uso da palavra o Vice-Provedor, Pastor Matusael, que destacou a trajetória do hospital, suas potencialidades e o atendimento a pacientes de toda a região, e o Provedor, Jaime Silva Machado, que falou sobre a situação financeira da instituição.
Jaime explicou que o problema financeiro com o PAM existe porque o Hospital Evangélico não recebeu parte dos recursos previstos no convênio com a Prefeitura de Carangola. Ele apresentou relatórios de todos os convênios firmados com o Município, o quanto foi repassado e o quanto ainda deve, cujo valor estaria próximo a R$ 500 mil. 
O Presidente do Conselho Municipal de Saúde, Eduardo Oliveira, disse que o enviará à Câmara e ao Ministério Publico um ofício comunicando que o Município não vem prestando contas dos gastos com saúde, e que pretende, ainda, buscar apoio do Conselho Estadual de Saúde para que os compromissos da Prefeitura de Carangola com o Hospital Evangélico sejam cumpridos, bem como a manutenção do PAM dentro do termo acordado no convênio.
Na segunda reunião, quinta-feira (26), o Presidente do Conselho Municipal de Saúde, Eduardo Oliveira, conduziu os trabalhos. Ao final de sua explanação, foi aprovada por unanimidade uma recomendação de apoio ao Hospital Evangélico e a coleta de assinaturas junto à população. Outros movimentos de apoio estão sendo estudados. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário